terça-feira, 12 de novembro de 2013

Símbolos da Nova Era (2)

  Os adeptos desse movimento utilizam uma parafernália de símbolos com forte apelo místico-esotérico, a maioria provinda de crenças orientais, pelos quais se identificam e são reconhecidos. Símbolo é "figura, emblema, imagem, sinal; representação abreviada de um elemento, pessoa ou país"(Dic Teológico, de Claudionor C. de Andrade). Símbolo é "aquilo que tem valor evocativo, mágico ou místico" (Dic. Aurélio, 4). Símbolo é "figura ou ação que representa uma realidade". "Quando as pessoas aderem ao uso de símbolo da Nova Era, automaticamente concedem permissão a Satanás para dirigir e comandar suas vidas, mesmo que o façam inocentemente, sem reconhecerem as verdadeiras implicações espirituais que isso fatalmente irá trazer-lhes" afirma Milton S. Vieira, em "símbolos da Nova Era" 5ª Edição.
 A verdade é que o uso desses símbolos é incompatível com a cristã. 
 O nome do movimento é muito sedutor. Ele decorre do fato de que o homem contemporâneo está decepcionado por tudo o que experimentou no século XX. A Nova Era vem para "sepultar" a era cristã, pois realizará o que seu nome indica: "derramamento de água" ou "era de aquários" sobre o mundo, para simbolizar a vinda de um novo "espírito" ou "nova mentalidade". Este "espírito" provocará nos homens uma expressão de consciência, através da ajuda de psicotécnicas: Tarô, Yoga, Meditação, a Holística, Mapa astral, Gurus, Esoterismo, "profetas", "messias", novas culturas, orações, Búzios, pirâmides, cristais, numerologia, Gnose, Acupuntura, Pacifismo, Rebieth, Channellins, Sincretismo, busca interior, livros de auto-ajuda, magia, adivinhação... e esta iluminação possibilitará uma vida "sem dificuldades e sem problemas". A "Nova Era" não é uma religião, mas apresenta propostas de vida religiosa. Não é um movimento filosófico, mas tenta dar respostas filosóficas a questões existenciais. Não é uma ciência, mas busca alicerçar-se em leis científicas ou pseudo-científicas.  
Saiba quais os significados dos símbolos da Nova Era para não cair nas garras do maligno:
                                                                                                                                                            

Infinito - Na antiga Índia e Tibete representava a perfeição, o dualismo e a unidade entre masculino e feminino. No tarot oculto é ligada à magia e representa o equilíbrio ou o equilíbrio de várias forças.




O Sinal do Pink Floyd - Boneco espiando sobre um muro, representa Satanás olhando para as pessoas que ainda não se decidiram por ele. Relaciona-se à queda do muro de Berlim e ao conjunto de rock Pink Floyd formado na Inglaterra em 1966, que gravou músicas de conteúdo satânico: "Corra como o Diabo"; "O Gnomo"; "Confortavelmente Anestesiado", e outras.



Mão Boba -  Consiste na saudação usando os dedos polegar e mínimo abertos e os demais fechados. Significa frouxidão, relaxamento, estado de embriaguez, de prostração, de negligência. Este gesto significa também o rebaixamento e queda da trindade - Pai, Filho e Espírito Santo - (os três dedos abaixados) e exaltação do diabo. Os dois dedos levantados (polegar e mínimo) formam o chifre que simboliza o diabo.



Mancha Louca - O mais divulgado símbolo do satanismo da Nova Era. Dizem que tem o objetivo de vulgarizar e zombar do sangue redentor de Jesus. Iguala-se ao desenho irregular de um líquido ao cair sobre uma superfície plana. Conhecida também como “mancha de sangue”. Usada principalmente em automóveis. 



Simbolo da Besta - Este número tem qualidades sagradas e por isso, deveria ser usado com maior freqüência possível para representar a Nova era, segundo os ensinamentos da Alice Bailey, suma-sacerdotisa da Sociedade Teosófica. 
Arco-íris - É o símbolo principal da Nova Era, mas apresentado só a metade! Ele representa a ponte entre a alma humana individual e a "Grande Mente Universal" ou "Alma Universal". Também é considerado como "Ponte Mental" entre o homem e as energias cósmicas e a cidade de Shambala. Na Bíblia, o arco-íris é o símbolo da Aliança entre Deus e o Seu povo. O mais usado símbolo da Nova Era. Biblicamente o arco é símbolo de uma aliança de Deus através de Noé. A Nova Era usa-o  significando a ponte que liga a alma do homem às forças cósmicas e ao próprio Satanás; união entre terra e céu, entre os seres do Universo. A Nova Era está sempre tentando “avacalhar” os símbolos do cristianismo. 



Fita entrelaçada sem fimSignifica a vida entrelaçada, onde há sempre uma continuidade em outras encarnações. Também representa o pacto de sangue entre os nova-erinos, envolvendo pessoas ou organizações. É usado para uma melhor obediência entre os aliados do movimento Nova Era.


Borboleta - é o símbolo próprio dos adeptos da nova era ou dos "aquarianos". Como a lagarta entra no casulo, transforma-se e sai em forma de borboleta, assim a humanidade passa de uma era antiga, transforma-se em todos os sentidos e entra na nova era.





Chifre - Simbologia usada por diversos povos, e até por famílias que se dizem cristãs. Tem o significado místico de afastar fluídos negativos (mal olhado, olho gordo...).. É usado no pescoço, como pendentes em pulseiras, colares, brincos, na sala principal das casas, etc. Simboliza o afastamento de  Representado por apenas um chifre.



Mão chifrada - Usado por artistas ligados a um determinado ritmo musical e seus fãs. Simboliza o louvor em rituais satânicos. 







SS - Usado por grupos nazistas em roupas, broches, tatuagens, etc. Simboliza o louvor e invocação de satanás.







Besouro - Símbolo que mostra que a pessoa que usa tem poder dentro do satanismo. 






Lua-estrela - Usados em roupas, adereços, artes e também em centros espíritas. Simboliza poder para transportar através do cosmos. 




Pirâmide -  É tida como elemento que capta a energia cósmica e beneficia as pessoas dando sorte nos negócios.





Cruz Satânica - O nome por si já diz o que significa, qual o seu uso, e o objetivo do porque usa.






Urano - Amor à natureza que se expressa através dos movimentos ecológicos. Urano simboliza a harmonia com o cosmo, adoração à deusa Gaia, o que eles chamam de "Lado feminino de Deus". 

Unicórnio - É o símbolo da liberdade e promiscuidade sexual: homossexualismo, lesbianismo, heterossexualismo, fornicacionismo, sexo grupal, etc. 


Cruz com laço - Simboliza o desprezo da virgindade, troca da parceiros conforme a escolha pessoal. A Nova Era ensina que a sexualidade é a parte que purifica o ser humano, eleva o espírito e embeleza o corpo. É a volta ao paganismo antigo, cujos "deuses" promoviam as danças com barulho excessivo, as orgias, a prostituição ritual, etc.


Casal Transpessoal - Símbolo do fim do casamento representado pela letra Omega, última letra do alfabeto grego. Os adeptos da Nova Era dizem que o ser humano não deve pertencer a nenhuma família possessiva, mas deve ficar sempre livre para buscar outros parceiros.

Pomba com ramo - Simboliza a paz à qual tendem os aquarianos, na esperança de que as águas de Peixes sequem para dar lugar à Nova Era. Não tem nada haver com a pomba que noé enviou para procurar terra firme esta pomba simboliza a paz à qual tendem os aquarianos, na esperança de que as águas de Peixes sequem para dar lugar à Nova Era.




Cabeça de bode - É um símbolo de zombaria, contrário ao cordeiro de Deus "Jesus".



Plutão - Simboliza a "união planetária, construção da "Aldeia Global", é o novo nascimento do planeta Terra com a união sem fronteiras, acima de credos, cor e raça. Simboliza também a "paz universal " dentro da nova era. 


Netuno - Simboliza a transformação das crenças. A cruz para baixo significa que todas as crenças serão destruídas para implantação do ecumenismo geral e sem fronteiras, e morte aos opositores, para que o planeta Terra seja governado por Maitreya o "Novo Messias".  


 Conheça mais símbolos em Símbolos da Nova Era (1).

 Sempre em Cristo,

 Josebias, o Diácono.  

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Ligar e desligar, o quê?

 Em Mateus 16.19, a referência que Jesus faz ao falar de "ligar" e "desligar" é às "chaves do Reino dos Céus", que aparecem no início do versículo. Logo, para entender o que significam essas expressões, primeiro devemos compreender o significado dessas "chaves".

 As "chaves do Reino" representam a autoridade que Deus delegou à Igreja. O termo "chave", aqui, fala de poder. Afinal, é com chaves que abrimos ou fechamos portas. Mas, que portas?
 Diz-nos a Bíblia que as "chaves do Reino" são usadas, entre outras coisas, para repreender o pecado e levar a efeito a disciplina eclesiástica, como vemos em Mateus 18.18, quando as expressões "ligar" e "desligar" aparecem de novo. Os outros pontos que caracterizam essa autoridade são o poder de orar eficazmente em prol da causa de Deus na Terra (Mt 18.19-20); o poder de dominar as forças demoníacas e libertar os cativos pelo poder do nome de Jesus e da Palavra de Deus; e a missão que a Igreja tem de pregar a Salvação e o perdão dos pecados para todos que se arrependem e creem em Cristo. Esse último ponto é o assunto da passagem de João 20.23, onde mais uma vez encontramos Jesus demonstrando a ideia de que a igreja, isto é, seus servos, tem autoridade para "ligar" e "desligar".
 Portanto, o 'ligar" e o "desligar' de Mateus 16.19 têm um sentido abrangente. Seu significado inclui os significados dessas mesmas expressões em Mateus 18.18 e João 20.23. Na primeira passagem, o sentido é amplo, como vimos no parágrafo acima: fala de poder de disciplinar eclesiasticamente, do poder da oração, do poder de expulsar demônios e de pregar a mensagem transformadora do Evangelho. Já as duas outras passagens abordam aspectos desse sentido: Mateus 18.18, a disciplina eclesiástica; João 20.13, o poder da proclamação da Salvação em Cristo.
 Sobre Mateus 18.18, é só ler o contexto das palavras de Jesus. Os três primeiros versículos deixam claro o significado da passagem ( v 15-17). Em João 20.23, não aparecem ligar" e "desligar", mas a ideia está implícita nas palavras "perdoar" e "reter". Quando Jesus afirma a seus discípulos que "àqueles a quem perdoardes os pecados, lhe são perdoados; e, àqueles a quem os retiverdes, lhes são retidos", Ele não está querendo dizer que os discípulos tinham agora o poder para perdoar pecados, pois somente Deus pode fazer isso. Ele estava afirmando que deu-lhes o privilégio de dizer aos novos crentes que os seus pecados foram perdoados, porque aceitaram a mensagem de Jesus. "Todos os crentes têm este mesmo privilégio. Podemos anunciar o perdão dos pecados com convicção quando encontramos o arrependimento e a fé".  

 Sempre em Cristo,
 Josebias, o Diácono.

segunda-feira, 7 de outubro de 2013

A Mensagem do Evangelho

  Você já leu algo sem entender?
  Se entendêssemos tudo o que lemos na Bíblia, não haveria motivos para comprarmos manuais bíblicos, dicionários bíblicos e outros auxílios para estudo. Muito tempo atrás, um etíope parou seu carro às margens da estrada por onde viajava para ler um trecho das Escrituras Sagradas. Ele estava lendo o Livro de Isaías no AT, mas não conseguia compreender o que lia. Deus enviou Filipe para ajudá-lo. Filipe perguntou: Compreendes o que vens lendo?" (At 8.30).
 "Como poderei entender," replicou o homem, "se alguém não me explicar?" Filipe subiu no carro e explicou ao homem o significado daquilo que lia. Filipe explicou as boas novas acerca de Jesus a ele, e o homem creu em Cristo naquele dia e foi batizado. O etíope não tinha dificuldades para ler as palavras da Bíblia, mas não conseguia compreender o significado daquilo para sua vida,, até que Filipe o ajudou.
 A Bíblia possui uma mensagem para cada um de nós. Embora suas palavras sejam simples, seu significado para nossa vida é profundo. Deus nos fala por meio das palavras da Escrituras para nos dizer verdades importantes que pode mudar nossa vida.
 A Bíblia nos diz que Deus tem um plano para cada pessoa. Ele nos criou para viver num relacionamento com ele. Ele deseja nos dar vida eterna para que possamos ter uma vida plena sobre a terra e eterna no céu.
 Deus deseja que tenhamos vida eterna, mas a Bíblia diz que temos pecado. O pecado é tudo o que fazemos ou deixarmos de fazer e nos separa de Deus e nos faz romper o relacionamento com ele. Sem o Senhor em nossa vida, não temos esperança de vencer os danos causados pelo pecado. Não podemos vencer nossos pecados sendo religiosos, morais ou bons. Não temos em nós a capacidade de nos livrar dos efeitos de nossos pecados. A Bíblia diz que Deus é santo, o que significa que é desprovido de qualquer pecado e não permite nenhum pecado perto de si. Ele é também perfeito e justo. Sua natureza é tal, que não tolera o pecado, antes, o pune. Deus nos ama e deseja que tenhamos a vida eterna, mas nossos pecados impedem isso. Ele nos ama, mas precisa castigar o pecado. A Bíblia diz que a punição de nossos pecados é a morte. Quando não conseguíamos fazer nada por nós mesmos, Deus optou por enviar Jesus para sofrer o castigo por nossos pecados, morrendo por nós. Jesus é deus que veio à terra como homem para morrer por nós. Ele morreu voluntariamente por nós e sofreu a dor e o castigo por nós. Sua morte satisfez o julgamento divino por nossos pecados e, ao mesmo tempo, mostrou seu amos por nós. Porque é Deus, Jesus pode fazer por nós o que só Deus pode fazer. Porque é um ser humano, ele podia tomar nossos pecados sobre si e morrer por nós. A Bíblia diz que reviveu para nos oferecer perdão de nossos pecados e vida eterna. De acordo, com as Escrituras, precisamos deixar nossos pecado, confiar totalmente que Cristo fez o que a Bíblia diz que ele fez e segui-lo em completa fé e obediência.
 As seguintes passagens bíblicas o ajudarão a receber a dádiva da vida eterna por meio de Jesus Cristo, caso você nunca tenha crido nele.
  1. Romanos 3.23 nos diz que todos somos pecadores: Pois todos pecaram e carecem da glória de Deus.
  2. Romanos 6..23 nos diz que o pecado nos traz a morte, mas Cristo nos traz vida eterna como dádiva de Deus: Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus nosso Senhor.
  3. Romanos 8.1 nos diz que as pessoas que creem em Cristo são perdoadas e não condenadas por Deus: Agora pois, já nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus.
  4. Romanos 10.9 nos diz que somos libertos de nossos pecados quando admitimos nossos pecados a Deus e colocamos toda nossa confiança e Cristo: Se, confessares Jesus como Senhor e, em teu coração, creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos serás salvo. 
  Romanos 10.13 nos diz: Todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo. Caso tenha invocado o nome dele, você foi perdoado de seus pecados e recebeu a vida eterna.
  Deixe Jesus transformar a sua vida!
  Receba agora mesmo a Jesus Cristo como seu único e suficiente Salvador e Senhor. Convide-o para entrar em sua vida, expressando esta oração a Deus: "Senhor Deus, preciso de Ti porque sou uma pessoa pecadora. Quero receber a Jesus Cristo, teu Filho, como Senhor e Salvador. Entrego agora mesmo a minha vida em tuas mãos. Perdoa os meus pecados, em nome de Jesus. Amém."
  Se hoje você recebeu a Jesus como seu único Senhor e Salvador, a Bíblia diz que você tem a vida eterna e paz com Deus(João 1.12; 5.24; 1 João 5.13).
  Procure uma igreja evangélica e torne-se um membro. Deus te abençoe em Nome de Jesus!!!
  Agora volte à imagem acima e dê uma olhada investigativa, o que lês?

 Sempre em Cristo,
 Dc Josebias.

terça-feira, 10 de setembro de 2013

Os Sofrimentos e a Glória

 Romanos 8.18.

Considero que os sofrimentos atuais não podem ser comparados
 com a glória que em nós há de ser revelada. 

 Há muita gente no mundo que sofre. Muita gente que geme. A África é um continente que ressoa com os gemidos de pessoas maltratadas, que tiveram de fugir de suas casas, expulsas por bandidos, com ou sem uniforme.
Atualmente nos alcançam notícias da Nigéria, onde cristãos são assassinados, às veze, no próprio templo que celebram os seus cultos.
 Ó Deus ouve os gemidos dos que sofrem injustiça! Abre os céus para os que enfrentam o inferno, a cada dia que passa!
 No entanto não precisamos ir tão longe para encontrarmos pessoas sofredoras. Nosso país está cheio delas. Não somente os que caem em vista - nas favelas, áreas de alagamento, nos casebres colados a barrancos sujeitos a deslizamento de terra, nos Estados onde não chove o suficiente. Se abrirmos os nossos olhos, vamos descobrir gente sofredora em nossa própria vizinhança.
 Que Deus nos abra nossos ouvidos para ouvirmos os seus gemidos!
 Como consolar uma pessoa sofredora?
 É semear esperança em seu coração. Esperança em Jesus Cristo e na glória que com Ele será revelada. Não é fugir do presente para um futuro ainda invisível. É antes de puxar o futuro para o nosso presente, é puxar o céu para a terra. É ter comunhão de vida com aquele que já está assentado à direita de Deus Pai, que já está na glória do Reino. É lembrar-se de que somos membros do corpo de Cristo, e que os dias de nosso sofrimento estão contados. É bom deixar claro que o mundo que Ele colocou no meio do céu estrelado, bem assim como o novo mundo que vai criar são de Deus, Pai de Jesus, e por Ele, também o nosso Pai.

 Obrigado meu SENHOR, pela tua presença na minha vida. Eu quero apegar-me à tua promissão e esperar pelo teu Reino.  

Sempre em Cristo,
Dc Josebias.

segunda-feira, 5 de agosto de 2013

O que havia na mala preta do papa Francisco?

Por Ciro Sanches Zibordi   
A última entrevista do papa Francisco, antes de chegar a Roma, foi concedida aos jornalistas que o acompanharam no avião. A despeito de estar visivelmente cansado, ele, com boa vontade, deixou sua primeira classe e cumpriu uma promessa que fizera no voo de ida ao Brasil.

Uma das perguntas foi a respeito da mala preta que o papa faz questão de carregar. E ele, com muito bom humor, respondeu: "Não tinha a chave da bomba atômica. Eu sempre fiz isso. Quando viajo, levo minhas coisas. E dentro o que tem? Um barbeador, um breviário (livro de liturgia), uma agenda, tinha um livro para ler, sobre Santa Terezinha. Sou devoto de Santa Terezinha. Eu sempre levei eu mesmo minha maleta. É normal. Nós temos que ser normais" (Fonte: Blog do Jamil Chade, jornalista de O Estado de São Paulo).

Sem dúvida, é exemplar o fato de o papa carregar a própria bagagem de mão. Mas acho curioso, por outro lado, que o líder do catolicismo — e admirado por muitos evangélicos — não leve consigo um exemplar da Bíblia Sagrada! Aliás, fiquei pensando: que exemplo — melhor do que carregar a própria mala — o papa teria dado a todos os cristãos brasileiros se ele os tivesse incentivado a ler a Bíblia! Imagine o que aconteceria se ele, em suas homilias, tivesse dito aos milhões de peregrinos e telespectadores que o assistiam: "Abramos as nossas Bíblias e leiamos a Palavra de Deus"!

Não é a Bíblia, ao lado da tradição, a fonte de todas as encíclicas, homilias e discursos papais? Acredito que, se o papa Francisco — nesses tempos em que a Bíblia é tida como um livro "altamente preconceituoso" e "fomentador de ódio" — portasse um exemplar das Escrituras, ele não seria tão admirado pela grande mídia. Aliás, por que esta, que tanto criticava Bento XVI, agora endeusa Francisco? Justamente porque ele tem se mostrado um pontífice flexível, disposto a dialogar, um gentleman, um líder religioso politicamente correto, que evita tocar em assuntos polêmicos.

Uma coisa é certa: na Bíblia Sagrada encontramos a melhor defesa dos conceitos de família, valores éticos e morais, vida embrionária, etc. E os que se opõem a tais conceitos não querem, evidentemente, ouvir falar de Bíblia. Sendo assim, se o papa objetiva agradá-los, o primeiro passo é ignorar ou menoscabar tal Livro, dando a entender — tacitamente — que ele é fonte de autoridade precípua e primacial apenas para os "fanáticos" e "fundamentalistas" evangélicos.

Bem, vamos esperar... O argentino Jorge Mario Bergoglio só está começando o seu pontificado. Talvez ele me convença de que estou enganado e tenha coragem de defender com firmeza os valores cristãos esposados nas páginas sagradas, especialmente nas homilias do Sumo Pastor (cf. Mateus 5-7; 23; João 13-17, etc.).

Sempre em Cristo,
Dc Josebias.

segunda-feira, 24 de junho de 2013

Atalhos da Fé!

 Quando ocorreu a Reforma Protestante no século 16, uma das grandes bandeiras dos reformadores era o fim do misticismo medieval e da supersticiosidade religiosa.
Nos últimos anos, porém, vez por outra têm surgido modismos que claramente chocam-se com as Sagradas Escrituras e significam um retrocesso na luta protestante. Aliás, muitas heresias e ventos de doutrina nada mais são que pura supersticiosidade.
 É fato histórico que os protestantes são contra toda e qualquer manifestação supersticiosa na fé. Porém, infelizmente, muitos grupos que se dizem protestantes pregam e praticam coisas que envergonham o protestantismo. Se não, vejamos: Não seria o uso de elementos como galho de arruda, sal grosso e copo d'água na liturgia uma volta ao misticismo medieval, tão condenado pelos reformadores? A teologia da maldição hereditária não seria um vilipêndio à doutrina da graça e uma superstição religiosa em sua essência?
 Lamentavelmente, é nítida a existência de casos de superstição entre evangélicos, mas isso é resultante da ausência de orientação bíblica. Nas igrejas onde o povo recebe o ensino sistemático e sadio da Palavra raramente existe isso.
 Alguns casos de supersticiosidade entre evangélicos são menores, outros são mais graves. Alguns exemplos do primeiro tipo são deixar a Bíblia aberta no Salmo 91 para afastar desgraças; utilizar a expressão "Tá amarrado!" de forma séria, como uma espécie de precaução espiritual; abrir a bíblia aleatoriamente para tirar 'um versículo" que funcione como a orientação de Deus para tomarmos uma decisão; trocar a leitura sistemática e regular da Bíblia pela "caixinha de promessa"; reputar que a oração no monte tem mais eficácia do que a feita dentro do quarto ou na igreja; dormir empacotado para que Deus, ao nos visitar à noite, não se entristeça; e acreditar que objetos ou algum suvenir de Israel (pedrinhas, água do Rio Jordão, folhas) têm algum poder especial. 
 O protestantismo foi um dos grandes catalisadores do fim da superstição da Idade Média, que havia sido implementado por um catolicismo cada vez mais decadente. É só reexaminarmos a História e veremos que, antes da Reforma, o mundo medieval era cheio de fantasias, duendes, gnomos, demônios, anjos e santos. O povo era ignorante, extremamente supersticioso e não tinha acesso à leitura. A própria Igreja Católica Romana fomentava e explorava isso. Foram os evangélicos que combateram tudo isso, inclusive apoiados pelos humanistas da época.
 um exemplo de caso grave de superstição é o caso da teologia da maldição hereditária, que declara insuficiente a obra de Cristo na vida da pessoa, pois, afirma que, depois de salvo por Jesus, o cristão deve desenterrar o seu passado e o de seus familiares para quebrar uma a uma todas as possíveis maldições que acometeram seus antepassados e que ainda não repousariam sobre ele, se não a libertação não será completa. Além de não ter base bíblica (2Co 5.17), essa teologia defende um princípio quase reencarnacionista, estabelecendo um carma na vida da pessoa a partir de seus parentes.
 Textos como o de Êxodo 20.5-6 não falam da extensão do juízo divino, mas da sua duração sempre que houver necessidade. Em outras palavras, sempre que houver necessidade de juízo, haverá juízo. Os justos que são filhos de pais ímpios não pagam pelo pecado dos pais (Rm 8.1). A responsabilidade é pessoal (Ez 18).
 Fujamos de toda a sorte de superstição. Que nossa fé seja absolutamente bíblica.
 Parafraseando o apostolo Paulo encerro este artigo, dizendo: “em tudo vos vejo um tanto supersticiosos”. Atos 17:22

 Sempre em Cristo,
 Dc Josebias.

sexta-feira, 21 de junho de 2013

Festa Junina - Sustentação da Idolatria

 A origem das celebrações juninas remonta aos antigos rituais pagãos. No Hemisfério Norte, o mês de junho é o período de solstício de verão. Nessa época, especialmente nos dias 21 a 24, egípcios, sumérios, romanos, bascos e celtas invocavam a fertilidade através de rituais.
 Na mitologia romana, pagãos prestavam culto à deusa Juno, cujos festejos eram denominados junônias, adaptado no Brasil para junina. Os primeiros registros por aqui datam de 1603, pelo frade Vicente do Salvador, que ressaltou o fato de os índios aceitarem de bom grado o dia de "'São João Batista', por causa das fogueiras e capelas".
 Os historiadores registram que os rituais de colheita e fertilidade eram tão fortes da Idade Média que a Igreja Católica Romana resolveu aproveitá-la, adaptando-a para seu calendário. Ela foi trazida para o Brasil pela colonização portuguesa. A quadrilha e o mastro são elementos do ritual pagão que permanecem até hoje.
 Já o culto pirolátrico, próprio da festividade junina, teve início em Portugal, onde antigamente acreditava-se que o estrondo de bombas e rojões tinha a finalidade de espantar o diabo e seus demônios na noite de 'São João".
 Os fogos de artifício e as fogueiras são uma forma de culto da antiguidade, ovacionando as imagens. Mas, por trás delas estão os ídolos. Paulo afirma em 1 Coríntios 10.19 que o ídolo não é nada, mas o que se oferece a ele, se oferece aos demônios, e o cristão não pode se envolver com isso.
 Além de conterem o elemento idolátrico, os fogos são perigosos e extremamente poluentes.
 No Brasil, o uso de fogos e artifícios aumenta consideravelmente em junho e julho, em virtude das comemorações dos romanistas a seus santos protetores. Muitas pessoas têm sido mutiladas pelo manuseio do produto, enquanto balões têm causado inúmeros incêndios. A prática dos balões, tão comum nessa época, se vincula à ideia de que, se este subir sem nenhum problema, os desejos de que quem os solta será atendido. Caso não suba, seria azar.
 Em várias regiões do país, com ênfase no Nordeste, religiões como candomblé homenageiam os orixás, misturando suas práticas ao ritual católico romano. Não é raro ver nessas festas rodas de pagode, música funk, barracas de comida e bebidas variadas. Na Bahia, a festa de Santo Antônio é confundida com a de Ogum, um ídolo guerreiro da cultura afro-brasileira.
 Alguns grupos evangélicos, desavisados, participam dessas festas populares. Outros vão além e, sob alegação de arrecadar fundos, organizam suas próprias festas, Há ainda quem argumente que é melhor ter uma festa junina nas dependências da igreja do que permitir os novos convertidos participarem lá fora. "Isso é muito perigoso, porque a igreja começa a imitar o mundo", rebate o apologista Paulo Romero.
 Já o apologista Natanael Rinaldi alerta que a mistura de costumes religiosos, impróprios à luz da Bíblia, pode levar ao envolvimento com práticas herdadas do paganismo, como denunciou apóstolo Paulo: "Antes digo que as coisas que os gentios sacrificam, as sacrificam aos demônios, e não a de Deus. E não quero que sejais participantes com os demônios", 1Co 10.20.
 Comer as iguarias características dessas festas pagãs, tais como milho cozido e pipoca, não é problema, desde que não sejam aquelas oferecidas aos "santos' (ídolos), com objetivo religioso e participativo. "Não podeis beber o cálice do Senhor e o cálice dos demônios; não podeis ser participantes da mesa do Senhor e da mesa dos demônios", 1Co 10.21.

 Sempre em Cristo,
 Dc Josebias.

sexta-feira, 14 de junho de 2013

IOGA - Exercício Corporal ou ritual religioso?


FALSA RELIGIÃO TRANSVESTIDA DE EXERCÍCIO


  Em novembro de 2003, fora realizado um evento que seria considerado por um grupo de empresários do Rio de Janeiro, o maior evento de ioga do país.    
  Denominado de Oi Novos Urbanos, o projeto pretendia entrar no calendário anual da cidade e trazer, a cada edição, iogues famosos, tanto nacionais como internacionais. Segundo a promulgadora do evento, Denise Chaer, o objetivava conquistar mais seguidores para a prática.
  Infelizmente, nunca a ioga foi tão popularizada no país como nos últimos anos. "Não há dúvida de que a filosofia oriental invadiu o Ocidente. Atualmente, já contabilizamos cerca de mais de 5 milhões de praticantes de ioga no Brasil", afirmou Chaer na época, embora em 2011 a Revista Digital Exame informa que segundo a Associação Brasileira de Ioga esse número passa à margem de 500 mil praticantes. O marketing da prática no país inclui personalidades famosas na mídia, como os apresentadores Cíntia Howlett e Luciano Huck, e os atores globais Marcelo Serrado, Cristiane Torloni, Fernanda Torres e Letícia Spiller além de Rodrigo Santoro. A ideia é atingir principalmente os jovens. O jornal o Globo, o segundo jornal secular em circulação no país, chegou a publicar uma matéria, com chamada de capa, promovendo a ioga.
  Não são poucos que, lamentavelmente, engodados pelo discurso da mídia, pensam que não há nada demais em o cristão praticar ioga. Muito pelo contrário.

terça-feira, 11 de junho de 2013

Pedofilia - Distúrbio ou ação demoníaca?

 pedofilia pode ser vista através de três perspectivas: a psicológica, a social e a ética. Devemos descrever essas perspectivas procurando confrontá-las com a visão bíblica.
  Na perspectiva psicológica, há várias questões que são amplamente discutidas. Uma das principais é: "O agressor sexual (pedófilo) é portador de distúrbios psiquiátricos?" A resposta a essa questão envolve várias ordens de dificuldade. Uma delas diz respeito ao que podemos entender com a expressão distúrbios psiquiátricos.
  De acordo com o Manual Estatístico de Desordens Mentais (DSM IV), publicado pela Associação Psiquiátrica Americana, a Pedofilia é considerada uma desordem psiquiátrica, um distúrbio psicossocial. Um distúrbio psiquiátrico frequentemente está associado às doenças mentais ou de comportamento, incluindo perturbações do humor, do pensamento, do caráter e da percepção.
  O DSM IV classifica a pedofilia como um tipo de parafilia (transtorno sexual) em que há constância de fantasias e desejos sexuais específicos com crianças.

Musicalidade X Espiritualidade

Vivemos em uma geração apática, individualista e egoísta. consumidores, e sim produtores de vida, de cura, de paz, de ações condizentes com a nossa vida cristã.
Os valores humanistas estão cada vez mais dominando nossa sociedade. De forma sutil Satanás está impondo esses valores aos cristãos. Ele não confronta a igreja, mas seu intuito é fazer com que ela tenha uma visão"míope', ou seja, medíocre, defeituosa e distorcida. O evangelho que temos pregado é um evangelho de busca de sucesso pessoal, de prosperidade e de conquista, mas com ênfase no "consumo". Mas Deus não nos chamou para sermos
  Jesus conhecia os ambientes da humanidade. Precisamos aprender a ver as pessoas como Jesus via. Precisamos aprender a sentir como Jesus sentia. As pessoas vivem deprimidas, cansadas, tristes, com medo, sem rumo e perdidas. Precisamos ter identificação, ou seja, conhecer, participar, se inteirar.
  Nós iremos impactar o mundo não apenas com uma bela música executada, mas principalmente pelo nosso estilo de vida. Para isso, precisamos, em primeiro lugar, nos arrepender da nossa indiferença, falta de amor e visão. Muitos músicos têm um ministério infrutífero por causa de pecados e vida dividida, ou seja, "um pé na igreja e um pé no mundo". Se houver arrependimento, daremos frutos verdadeiros, causando impacto na vida das pessoas e na nossa geração.

segunda-feira, 3 de junho de 2013

Sensacionalismo Doutrinário


Raiz de aberrações

  Uma consequência bastante inquietante da negligência do ensino doutrinário a todos que zelam pela ortodoxia e ortopraxia cristãs é o surgimento de aberrações espirituais.
 Nos dias de hoje, os pastores devem tornar-se "clínicos gerais" e ou verdadeiros pais espirituais, preparados para as demandas que o presente século impõe, ainda mais porque vivemos tempos de vertiginosa aceleração da escalada e distribuição de conhecimentos e inevitáveis distorções destes. 
 Há uma síndrome de especialização em andamento, fazendo surgir "igrejas do louvor", "igrejas do amor', "igrejas da família", "igrejas evangelísticas" e assim por diante.
 Tal especialização já vai se introduzindo nos cultos, ao ponto de adaptar o serviço oferecido na igreja ao "público consumidor", com horários e programações especializadas. Por exemplo: culto de libertação, culto de louvor, culto da família, culto da prosperidade, sessão de descarrego etc.
 É um equívoco pensar em marketing para o verdadeiro Evangelho, uma vez que a ambição do homem sem Deus é frontalmente oposta aos requisitos de uma vida espiritual. Não há como atrair de modo honesto o pecador à doutrina cristã para sua salvação, a não ser que este seja alcançado pela graça de Deus que acompanha a verdadeira proclamação no homem e do poder de Cristo para livrá-lo. O verdadeiro doutrinador não está preocupado se o auditório sente-se confortável com a palavra que há de ensinar. Pelo contrário, está desejoso que os seus ouvintes voltem para seus lares inconformados com uma maneira de viver sem Deu, sem paz e sem salvação. O verdadeiro doutrinador prega a Cristo e este crucificado.

sábado, 1 de junho de 2013

Atributo Divino (1)

                  A Onisciência Divina                                    

 A onisciência divina é um dos atributos naturais de Deus e que consiste na capacidade
única que Deus tem de saber e conhecer todas as coisas. Afirma o escritor da Epístola aos Hebreus: "E não há criatura alguma encoberta diante dele; antes, todas as coisas estão nuas e patentes aos olhos daquele com quem temos de tratar", Hebreus 4.13.
 Atrelada à onisciência divina está a presciência, que significa a capacidade única de Deus saber de tudo antecipadamente. É o atributo pelo qual Deus conhece o futuro. Em outras palavras, quando afirmamos que Deus é onisciente e presciente, estamos dizendo que Ele sabe e conhece tudo, antes de acontecer.
 A Bíblia diz que antes mesmo de elaborarmos qualquer frase, Ele já a sabe; "Ainda que palavra não me chegou à língua e tu, Senhor, já a conheces toda", Salmo 139.4. Deus conhece todos os nossos pensamentos e intenções do coração. 

Alfabeto Herético

As armadilhas de Satanás de A à Z
Animismo
Conhece-se por esse nome a teoria formulada pelo antropólogo inglês Sir Edward B. Tylor em sua obra Primitive Culture (1871, A cultura primitiva)., é a primeira grande etapa da evolução do pensamento religioso, que indefectivelmente continua pelo politeísmo até culminar no monoteísmo. Para Tylor, a origem da noção de alma está nas experiências do adormecimento, da doença, da morte e, sobretudo, dos sonhos, que levam a imaginar a existência de um “duplo” insubstancial do corpo. Esse princípio da vida e do pensamento pode atuar com independência e até sobreviver ao corpo depois de sua morte. A crença em que a alma perdura explica o culto aos mortos e aos antepassados. O deus sol, a divindade lunar, o trovão, a montanha sagrada, os espíritos da água, do fogo, do vento… A crença de que fenômenos e forças da natureza são capazes de intervir nos assuntos humanos constitui o fundamento de todas as idéias religiosas consideradas animistas.
Refutação bíblica: Is 43.10 e Dt 6.4.

Bramanismo
Surgiu na Índia 4 séculos antes de Cristo. A doutrina original pode ser resumida em cinco princípios, dos quais decorrem as demais diretrizes: 1) Um Deus único com tríplice manifestação(Trindade Divina) - "O ser supremo que se imola a si próprio e se divide para produzir a vida universal". 2) A natureza eterna do mundo -"Ele sempre foi e sempre será. O mundo e os seres saídos de Deus voltam a Ele por uma evolução constante". 3) A Reencarnação - "Há uma parte imortal do homem que é aquela, ó Agni, que cumpre aquecer com teus raios, inflamar com teus fogos. De onde nasceu a Alma? Umas vêm para nós e daqui partem, outras partem e tornam a voltar". 4) O Carma - "Se vos entregardes aos vossos desejos, só fareis condenar-vos a contrair, ao morrerdes, novas ligações com outros corpos e outros mundos". 5) O nirvana - "Estado de não desejo". O mais puro e íntegro da alma, livrando-a em definitivo da roda das encarnações. Considerado o coroamento perfeito.
Refutação bíblica: Jo 1.9; Hb 1.8; Jo 1.3-4; Jo 9.5; Jo 11.25; Hb 2.3; Jo 8.24 e Mt 16.16.

Ciência Cristã
  A Ciência Cristã é uma mistura de filosofia, sistema de cura e religião, fundada por Mary Baker Eddy(foto). Para a ciência cristã, Jesus era simplesmente uma ideia, "o resultado da consciente comunhão de Maria com Deus". Nega a realidade da morte e ressurreição de Jesus. Ensina que a segunda Vinda de Cristo é o despertar de um sono enganoso para dar-se conta da verdade. Os fundamentos básicos de todo o sistema descansam sobre o conceito panteísta de Deus, isto é, que Deus é tudo e tudo que existe: Deus é tudo em tudo. Se Deus é tudo o que existe, então só existe o bem. Isso todos nós sabemos que não é verdade. É considerada a religião dos artistas de Hollywood.
Refutação bíblica: Hb 1.1; Lc 1.30-35; Mt 1.18-23; Jo 1.1,18; Hb 13.8; 1Co 15.3-6; At 1.11; 1Ts 4.16-17 e Mt 24.23-31,36-44.

quinta-feira, 30 de maio de 2013

O que deve prevalecer entre nós?

   A unidade cristã

   A unidade cristã está fundamentada no compromisso de cada cristão com o único Deus. A submissão conjunta com ele resultará em uma igreja unida em adoração, comunhão e serviço.                                                         
  Isso e, ao mesmo tempo, o fato conflitante de igrejas frequentemente divididas, é testemunhado no Novo Testamento.
  O evangelho de João lembra  a igreja de que a unidade era o propósito do Senhor para seus seguidores(Jo 17.20-23. A oração de Jesus para cada geração de crentes foi "que todos sejam um"(João 17.21). Essa unidade mútua deriva da unidade conjunta com o Pai e o Filho. A intenção declarada é "que o mundo creia" em Jesus, pelo testemunho unido dos seus discípulo.  
   João disse a mesma coisa a uma igreja em conflito. Os que estão em comunhão com Deus(os que "andam na luz")têm a resultante comunhão de amor(1 João 1.5-7). A ausência desse amor semelhante a Cristo, que deve caracterizar a "luz", não é de somenos. Cristianismo dividido

quinta-feira, 23 de maio de 2013

GENIZAH na mira!

Genizah e manipulação: a esquerda a serviço da esquerda

Por Julio Severo
  Fiquei surpreso e desconfiado quando o vídeo da Dra. Damares Alves foi divulgado também no Genizah. O vídeo, que muita gente no Brasil viu através de incontáveis sites e blogs, denuncia o governo federal sexualizando as crianças.
  Muito acertadamente, o filósofo Olavo de Carvalho disse sobre o vídeo: “É, sem favor nenhum, o discurso mais importante e mais valioso proferido em português do Brasil no último meio século.”
  Não fiquei surpreso com o que o governo federal faz e fez. Meu blog contém textos e fontes sobre esse assunto, que não é novidade para mim. Outros sites sérios, inclusive o Mídia Sem Máscara, contêm denúncias semelhantes. Eu mesmo já testemunhei, pessoalmente, uma elevada funcionária do governo federal falando sobre isso anos atrás.
  Minha surpresa e desconfiança foram com a real intenção do Genizah em expor algo tão necessário para as famílias brasileiras.
  Minha suspeita não se confirmou. Ontem, o Genizah disse que conheceu uma refutação “contundente” ao vídeo da Dra. Damares e fez contato com a autora, a sra. Magali do Nascimento Cunha.
Magali do Nascimento Cunha discursando no Conselho Mundial de Igrejas

  O Genizah explicou: “As refutação é minuciosa e oferece ao leitor a clara certeza de que estamos diante

quarta-feira, 15 de maio de 2013

Ah Leluia Luia Luia Luia

  A Versão de gospel de Ah Lelek Lek Lek 


   Um vídeo divulgado durante um evento gospel, na cidade de São João da  Boa Vista/SP, em uma igreja (não vamos citar o nome), onde o MC GahPC e Pery apresentaram diversas canções em ritmo de funk e fizeram a versão gospel da música “No Passinho do Volante” famosa pelo refrão “Ah Lelek Lek Lek Lek”. 

   Com muita “criatividade”, os jovens dessa igreja transformaram canções de David Quinlan, Aline Barros e Eyshila em funk e ainda colocaram melodias seculares com letras evangélicas.

   A música “Dança do Quadrado” foi cantada com a letra que dizia: Ado-a-ado eu não sou crente quadrado. Já o famoso Ah lelek, foi trocado por “Ah leluia”.



   Há mais ou menos um ano, um outro grupo demonstrava sua coreografia nada modesta, em um templo, sob a bandeira de "testemunho" de um ex-funkeiro, mas parece que só trocou de roupas, porque o funk ainda o segue, alias, ele ainda segue o funk.



   Assustadoramente, sem noção...
  "Estas são as palavras do Amém, a testemunha fiel e verdadeira, o soberano da criação de Deus. Conheço as tuas obras, sei que você não é frio nem quente. Melhor seria que você fosse frio ou quente! Assim, porque você não é morno, estou a ponto de vomitá-lo da minha boca"  
                                                                         Ap 3. 14-16. 

Fontes: O Alerta e Paz e Música

   Sempre em Cristo,
   Dc Josebias.


sexta-feira, 3 de maio de 2013

A igreja dos grandes negócios

  A igreja precisa de marketing para ganhar as vidas para Cristo?
   Antes de responder à pergunta, é interessante que entendamos um pouco o que significa marketing. Nem sempre que falamos em marketing nos referimos a propaganda. Devem ser consideradas a seleção do mercado consumidor, as oportunidades de negócio, bem como elaborações de estratégias para mostrar que o produto tem diferenciais em relação à concorrência. Nas estratégias inclui-se a propaganda.
 Estando cientes disso, como analisar, a igreja praticando marketing? Praticamente, existem igrejas propagando suas atividades e produtos,visando superar a "concorrência". Em alguns casos a publicidade é agressiva. Parecem que se pode ver cartazes com os dizeres "Venham pra cá!", " " Nessa igreja não se exige nada. Nada é proibido. É proibido proibir!", "Venham! Aqui o Evangelho está em promoção!" e "Aqui há milagres, mais poder!" E ainda, em algumas igrejas mais "modernas" podem-se ver o apelo aos pecadores("consumidores") com "equipes de danças", "equipe de balet" e "equipe de esportes radicais". Até o aspecto ambiente entra na publicação:"Venha! Nossa igreja tem ar-condicionado!" Vale tudo, no "supermercado da fé", para atrair o "consumidor". Até propaganda enganosa, o que é lamentável e condenado pelo Código da Igreja, que é a Bíblia Sagrada.
   Em alguns programas de tevê, vê-se claramente que há promoção da igreja. O interesse maior não é com o pecador, mas com a renda, com os dízimos e as ofertas. Essa proposta não esposa com as Escrituras.
   Não há nada de errado em buscar oportunidades de evangelização; escolherem-se áreas para a propagação do Evangelho de acordo com o público alvo.
 Deve-se pensar em estratégias? Não são nada mais que providências, ações e meios para alcançar os objetivos. É louvável a utilização de rádio, jornal, tevê, a evangelização pessoal, culto ao ar-livre, cruzadas, evangelização por carta e telefone(telemarketink). Laconicamente, concluímos que tudo isso é programa de evangelização, semelhante a um programa de marketing.
  Alerto, porém, que tudo isso pode ser feito. Mas se não tiver numa direção espiritual, nada valerá diante do Altíssimo, de sua igreja e de sua missão. O maior "marketing" é a demonstração do poder de Deus em seu meio.  
  O Apóstolo paulo assevera:"A minha palavra e a minha pregação não consistiram em palavras persuasivas de sabedoria humana, mas em demonstração do Espírito e de poder"!, 1 Co 2.4.

 Sempre em Cristo,
 Dc Josebias.

quarta-feira, 3 de abril de 2013

A Igreja e a sociedade nos tempos finais

   A sociedade do final dos tempos, no geral, é caracterizada por uma mentalidade pluralista, que recomenda com louvor a ideia de que não existe uma única verdade imutável, mas diversas, e que estas podem atuar simultaneamente mesmo sendo divergentes. Propositalmente, nesta visão,   não existem verdades, mas unicamente opiniões pessoais, onde cada um dita seu próprio estilo de vida e possui sua própria regra de comportamento. O pluralismo gera uma tensão ética, onde o homem é o seu próprio legislador e deus.
   Uma consequência disso é o antidogmatismo, a rejeição a Palavra de Deus e dos obreiros que a pregam, que são vistos como castradores da liberdade e do direito inalienável de cada um de agir de acordo com seus instintos e concepções próprias (2 Tm 4.3-4). Essas características, já presentes na atualidade, tendem a crescer extremamente com a proximidade da Vinda de Jesus.
   Uma outra característica é a impessoalidade. Não serão cultivados os relacionamentos profundos e duradouros. O casamento e a família aceleram-se para uma desvalorização (2 Tm 3.1-4).
   Apesar de todas essas características, o homem continuará o mesmo em sua essência. Ele pode usar qualquer tipo de roupa, tem novas profissões, hábitos distintos e usufruem de nova tecnologia, mas seu íntimo é o mesmo: carente de amor, aceitação e valorização. Ele continua a ter um vazio, que lhe provoca angústia e ansiedade, e que só pode ser preenchido por Jesus. Este vazio é sempre uma porta aberta para que receba o Evangelho.
   Para um homem carente e necessitado, uma sociedade no caos e perdida, e para vencer os ardis do inimigo, a solução continuará sendo a mesma. Jesus continuará salvando, curando, libertando e abençoando (Hb 13.8). A Igreja continuará avançando e ministrando à alma e ao corpo (Mt 16.18). A Igreja verdadeira, o Corpo de Cristo, continuará apaixonada por Jesus, celebrando e exaltando o seu grandioso nome.
   Conscientes de que o joio, que existiu desde o início, continuará presente até a consumação dos séculos, mas temos por certo que nada conseguirá ofuscar o brilho, a glória e a beleza que sempre adornaram a noiva do Cordeiro.
   A vitória sempre pertencerá ao povo de Deus (Sl 1.1-3).  
 Sempre em Cristo,
 Dc Josebias.