terça-feira, 23 de dezembro de 2014

Cristologia (4)

Jesus e suas duas naturezas

   "Dos quais são os pais, e dos quais é Cristo, segundo a carne, o qual é sobre todos, Deus bendito eternamente. Amem!" Rm 9.5.

   Assim como é heresia negar a divindade de Cristo, também é heresia negar-lhe a humanidade. A natureza divina e a humana estão juntas na pessoa única de Jesus Cristo.
   Nesse estudo vamos abordar as duas naturezas de Cristo: a humana e a divina. Jesus viveu entre nós, empregando as qualificações e características humanas, exceto o pecado. Como Deus, Ele manifestou todo poder e glória. Ele é o Eterno e verdadeiro Deus, e ao mesmo tempo, verdadeiro e perfeito homem, algo desconhecido na raça humana devido à Queda no Éden.
  
   1) A natureza humana. A Bíblia trata de Jesus como homem quando Dele como sendo da semente da mulher, ou seja, que teria, em sua encarnação, a natureza humana (Gn 3.15). Quando Gabriel anunciou a Maria que ela seria a mãe do Messias, Maria alegrou-se porque teria um filho. De acordo com Rm 1.1-7, o apóstolo Paulo aborda a expressão: "Nasceu da descendência de Davi segundo a carne", usada amiúde, revela a identificação de Jesus com a humanidade. Ele emprega o termo "carne" com esse mesmo sentido em Rm 9.5. Era conveniente que Jesus viesse ao mundo como homem; se assim não fora, não poderia sofrer e, por conseguinte ser o Salvador da humanidade (Hb 2.17). Além disso a Bíblia mostra a humanidade de Jesus, inclusive sa linhagem (Sl 22.22; fp 2.6-11; 1 Tm 2.5; 2 Tm 2.8). Sua genealogia encontra-se em Mt 1.1-17 e Lc 3.2-38.
   Os Evangelhos apresentam algumas características humanas, ou seja, atributos próprios da humanidade de Jesus. Embora gerado por ato sobrenatural do Espírito Santo, o Metre nascera de uma mulher (Mt 1.18, 20; Lc 1.35) e teve irmãos e irmãs (Mt 12.47; 13.55-56). Sentiu sono, fome, sede e cansaço (Mt 21.18; Mc 4.38; Jo 4.6; 19.28). Sofreu, chorou, angustiou-se (Mt 26.37; Lc 19.41; Hb 13.12) e, por fim, passou pela agonia da morte. Mas, ressuscitou glorioso, poderoso e triunfante ao terceiro dia (1 Co 15.3,4).

   2) A natureza divina. Jesus é Deus desde a eternidade. Esteve envolvido no ato da criação, indicando que já existia antes dela. Paulo confirma sua atuação criadora: "Porque nele foram criadas todas as coisas que há nos céus e na terra... Tudo foi criado por ele e para ele", Cl 1.16. A expressão "Filho de Deus", conforme vimos em Cristologia (3), é uma das revelações da divindade de Jesus (Jo 5.18, 10.33-36). O Senhor Jesus declarou "ser um com o Pai"; isso significa ser o mesmo Deus e não a mesma pessoa (Jo 10.30). A divindade de Cristo é ensinada em toda a Bíblia de maneira direta: "e o verbo era Deus" (Jo 1.1), "este é o verdadeiro Deus e a vida eterna" (1 Jo 5.20) e, também, através dos seus atributos divinos, tais como onipresença, onipotência, onisciência, eternidade entre outros (Mt 18.20; 28.18; Jo 21.17; Hb 13.8).
   Jesus nunca disse "eu acho", "eu penso", "eu suponho"; jamais afirmou não poder resolver este ou aquele problema. Para o Mestre, não há impossível. Jesus não somente declarou ser Deus, mas revelou suas qualidades divinas, demonstrando seu poder sobre a natureza, o pecado, as enfermidades, o inferno, e a morte. Os Evangelhos estão repletos de suas manifestações divinas e sobrenaturais (Lc 24.19; At 2.22). Há vários exemplos desse, como perdoando pecados (Lc 5.21, 24) e por diversas vezes recebendo adoração (Mt 8.2; 9.18; Jo 9.38). Ele afirmou ser o grande "Eu Sou": antes que Abraão existisse, eu sou" (Êx 3.14; Jo 8.58).
   
* A encarnação de Cristo                 Jo 1.14
* A concepção virginal de Cristo     Mt 1.23
* A tentação de Cristo                      Mt 4.1-10
* O ministério de Cristo                   Mt 4.23
* A paixão de Cristo                         Lc 23.26-48
* A ressurreição de Cristo                Jo 20.1-10

   O Apóstolo Paulo sabia sintetizar, de forma singular a vida de Nosso Senhor em 1 Tm 3.16. "E, sem dúvida alguma, grande é o mistério da piedade: Aquele que se manifestou em carne foi justificado em espírito, visto dos anjos, pregado aos gentios, crido no mundo e recebido acima, na glória".
   Esse é o Cristo que anunciamos. Somente nEle e através dEle pode o ser humano obter a vida eterna. Sem Cristo, ninguém chegará a Deus. Amém.
 
   Sempre em Cristo,
   Josebias Onorato

Acompanhe a série:
Cristologia (1) - Jesus , quem é este homem?
Cristologia (2) - Jesus o Verbo de Deus
Cristologia (3) - Jesus o Filho de Deus

3 comentários:

  1. Olá meus amigos, como é maravilhoso encontrar sites com este seu. Parabéns pelo belo trabalho, já estou seguindo.
    Aproveitando a oportunidade gostaria de compartilhar com você nosso
    blog. Ficaremos felizes por vossa visita e mais ainda se seguir-nos.

    AGUARDAMOS SUA VISITA

    Atenciosamente

    Josiel Dias
    http://josiel-dias.blogspot.com
    Rio de Janeiro

    ResponderExcluir
  2. Passando pela net encontrei o seu blog, estive a folhear achei-o muito bom, feito com muito bom gosto.
    Tenho um blog que gostava que conhecesse. O Peregrino E Servo.
    PS. Se desejar fazer parte dos meus amigos virtuais faça-o de forma a que eu possa encontrar o seu blog para o seguir também.
    Que haja paz e saúde no seu lar.
    Com votos de saúde e de grandes vitórias.
    Sou António Batalha.
    http://peregrinoeservoantoniobatalha.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  3. A Verdade Em Poesia, está a tentar visitar a todos os seus seguidores,
    para deixar abraço amigo e agradecer por termos ficado juntos mais um ano,
    desejar também que este ano lhe traga muitas alegrias, e grandes vitórias.
    Atenciosamente. António.
    PS. tive de seguir outra vez porque estava sem foto, ou sem endereço.

    ResponderExcluir